Decepcionante: Ventisquero Grey Single Block Pinot Noir 2015

Viña Ventisquero tem menos de duas décadas desde sua primeira vindima, sendo, portanto,  uma jovem bodega chilena onde a alta performance e o espírito inovador andam em sintonia, garantindo resultados surpreendentes possibilitando inclusive com que hoje figure entre as 15 maiores bodegas exportadoras naquele país. Trabalha com vinhedos próprios localizados nas melhores regiões vitivinícolas do Chile: Apalta, no Vale de Colchagua; no Vale de Casablanca; na Costa do Maipo; e também em Leyda. Vales estes que se somam aos vinhedos no Atacama. É reconhecida pela produção de vinhos de alta qualidade nas diversas linhas em que trabalha. A menção “Single Block” estampada no rótulo da safra 2015 deste Pinot Noir faz menção ao sério trabalho da busca pela máxima expressão de terroir encabeçada pelo enólogo Felipe Tosso e seus assistentes. Juntos, desbravam a região de Leyda, mais precisamente o vinhedo “Las Terrazas”. Com isso garantem a qualidade deste varietal cujas vinhas são cultivadas no vinhedo de Loncomilla, há 7 quilômetros de distância do oceano Pacífico, sendo beneficiadas com a forte influência marítima que na taça faz com que este varietal mostre ao que veio. Todavia, como se verá à frente ão foi isso que sentimos. A família Grey contempla além deste Pinot Noir um Chardonnay, um Sauvignon Blanc além dos tintos Cabernet Sauvignon, Carménère, GCM, Merlot e Syrah.

Contrarrótulo de fundo preto com letras de tamanho reduzido quase borradas dificulta muito a leitura

Degustação –

Ventisquero Grey Las Terrazas Single Vineyard Pinot Noir 2015 – Preço médio: R$ 169,90 – Região: Vale de Leyda – Em 31.07.2012 escrevi sobre esse vinho – na oportunidade uma amostra de barrica da safra 2011 trazida  pelo enólogo: “Pinot Noir – amostra de barrica Leyda, vinhedo a 7 km do mar – aqui estamos diante do futuro e promissor Grey Pinot Noir com lançamento previsto para meados de 2013. Vermelho-rubi intenso exibindo muita fruta fresca no nariz sobre um fundo levemente terroso. Na boca a sua entrada revela um vinho elegante, pronto, de taninos macios, acento mineral e frutado, com o álcool na casa dos 13% integrado ao conjunto. Outro aspecto positivo é a acidez que provoca intensa salivação. Termina levemente rugoso, enfim, um Pinot Noir de ótima tipicidade que custará menos do que R$ 100 e que tem atributos de sobra” – Agora nossas impressões sobre o exemplar da safra 2015: granada esmaecido com nítida turbidez, a indicar um vinho evoluidíssimo na cor, que parece não ter sido filtrado, mas essa informação não consta na sua ficha técnica. Na realidade estamos diante de um Pinot Noir de apenas quatro anos, sendo que nos últimos quinze meses desde sua aquisição permaneceu na adega climatizada….seus aromas herbáceos, etéreos e de madeira velha – no rótulo está mencionado amadurecimento de doze meses em barricas de carvalho francês – em nada lembram os ótimos pinots chilenos, repletos de fruta, balanceados, refrescantes/vibrantes….aqui o que verificamos foi um um tinto pobre no paladar, decadente…mas registre-se: sem dar sinais de estar bouchonée…seus aromas e sabores definitivamente não remetem à variedade estampada no rótulo. Um vinho pouco agradável, com o álcool e acidez pouco entrosados e o amargor desequilibrando o conjunto, taninos fora do padrão, madeira subjugando a fruta e nada mais. Aliás, a tipicidade para um Pinot Noir de preço sugerido na casa de R$ 160,00 é preocupante. Será um problema específico dessa garrafa, da safra ou do vinho? Avaliação: 84/100 pts.

Desempenho abaixo do esperado: Neozelandês Yealands Land Made PGR 2017

Category: Vinho degustado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *